Monthly Archives: August 2015

instinto, puerpério e outras bads

“Não quero ter filhos nunca porque medelz não tenho instinto materno”

Mig, veja bem. Eu não tô defendendo que todo mundo tem que ter filhos cruzes essa é a sua salvação. Não quer, não queira.
É que essa do não-tenho-instinto não cola.

Eu sou filha única, criada por pais que trabalhavam fora. Meu pai, inclusive, por vários anos morou em uma cidade diferente procurando maior conforto financeiro pra família. Eu tinha como lema “notas boas = clima bom em casa” e, mesmo nunca sendo a aluna mais brilhante, tive uma experiência escolar memorável.
Sempre fui MUITO na minha e, por motivos N, eu e meus pais não somos próximos de nenhum dos dois lados da família, o que me privou de ter contato com crianças durante toda a vida. E quando isso acontecia, mig, sai de baixo. eu bufava. “Criança é um atraso!” “Não entendo porque pessoas procriam!”

Sacou o retrato? Eu fui criada pra estudar. Pra trabalhar. Ser independente , ter dinheiro, viajar, ter amigos, ser realizada comigo mesma. E isso aconteceu. E acontece com muita gente em volta de mim. Nessa equação toda óbvio que não cabe criança. Um filho te impede sim de fazer muita coisa que quando você é carefree você faz sem dar satisfação a ninguém.

Esse, aliás, foi o mote do meu puerpério. Foi um período de luto pela MF que tava morrendo ali e dando espaço à mami MF. Foi complexo, complicado, verteu muitas lágrimas e rendeu muitas brigas. Francisco não foi planejado e veio no meio de uma catarse terrível que eu tava passando, tudo foi exponencialmente mais emotivo. Eu tive só 39 semanas pra me despedir de uma vida que eu tava meique começando a aproveitar.

Mas como qualquer luto, foi passando. E sabe o que tinha ali me esperando?
Um pacotinho recém nascido e totalmente indefeso. É uma coisa mágica: você pega aquela bolinha quentinha, de olhinhos fechados ainda, cujo choro parece de um filhote de gato. E ele se acalma com o teu cheiro. Tem noção do poder disso?

Isso é instinto. Eu obviamente não nasci com, e definitivamente não fui criada pra tal. Mas por motivos de força maior, ele floresceu.

Pensa assim, você tá aí no teu sofá comendo um brigadeiro e vendo walking dead. Daí você pensa “nossa, tô ferradx no apocalipse porque sei lá como sobreviveria”.
Meu, você sobreviveria. É instinto. Mas você não fica usando a torto e a direito, e sim só quando a situação se apresenta.

Portanto você, migx que foi supreendida por uma gravidez não planejada. Relaxa. Vai doer muito, você vai chorar baldes ainda, mas vai passar. Não importa o outcome, você vai sair muito mais madurx no final. E depois ainda terá um bebê massa pra te fazer sorrir nos dias mais sombrios.


Outras aleatoridades: Francisquets amanhã faz 8 meses. Tá quase de pé sem apoio, e “fala” que é uma matraca. Adora bateria, adora skate, adora se ver em telas e no espelho, adora me ver trabalhando, tá com os dois dentes de baixo. Entende o comando “dança, filho!” e dança normalmente até cair. Ganhou um upgrade de banho exclusivamente no chuveiro, engatinha por TUDO e dorme 13h+ por noite. Tá totalmente gostosinho e engraçado.

Eu? Baixei minecraft e tenho perdido tempo com o celular na mão.