Bebê em crise

Domingo Cisco fez três meses (tentamos comemorar com o primeiro acampamento dele, mas os mosquitos impediram nossa aventura. Mais detalhes em outro momento). E eu e Hugo estamos nos aventurando numa nova descoberta: a tal crise dos três meses.

Que, tcharam, nem sabia que existia! Sabia dos saltos de desenvolvimento e picos de crescimento, mas crise? Bebê com crise? Olha, existe. Francisco é um carrossel de emoções. Solta gargalhadas deliciosas do nada, emendadas em choros de uma hora sem parar, com direito a golfadas tamanho esforço. As lágrimas caem na mesma frequência que a canjica sem dentes é exibida.

E a luta pra dormir? Pra um bebê que dormia pelo menos 6h durante o dia, hoje ele dormiu quinze minutos. E bebê que não dorme é um bebê rabugento. E no caso do meu bebê vomitinho, mais leite talhado em todas as superfícies da casa. E ele não quer colo, mas também não quer sling, não quer cadeirinha, não quer berço, não quer tapetinho, não quer sofá e nem cama da mamis. Nem peito, nem brincadeira, nem chocalho, nem bico, nem cosquinha, nem banho. Ele quer tentar ficar de pé. Aguenta essa de um bebê semi-molinho.

Desejem força pra mim, amigs. Não está sendo fácil.